MARROCOS PARA MOCHILEIROS

artigo publicado em 17/08/2016



voltar

Enquanto muita gente fala em Argentina, Inglaterra e Canadá, eu insisto: Marrocos. A experiência mais intensa, mais destoante e mais incrível de todos os países em que passei – e olha que já visitei mais de uma dúzia deles. Vou  contar, porque você deveria considerar seriamente fazer um mochilão em Marrocos. Duvido não te convencer!

Marrocos para Mochileiros

UM PAÍS INCRÍVEL E ACESSÍVEL

Realmente não dá para encontrar qualquer motivo que justifique por quê Marrocos não está no topo da lista dos mochileiros. O país, que fica no topo do continente africano, é um daqueles lugares que faz você se sentir num cenário de cinema ou dentro de um quadro de Aladdin ou do Príncipe da Pérsia. Estou sendo cliché? Mas é verdade. Viaje e verá!

A cultura tão diferente das nossas referências ocidentais – seja na arquitetura, na estética, na organização da cidade, no ritmo diário, na gastronomia ou em tudo que você possa imaginar – é o primeiro choque que temos ao pisar em solo marroquinho. E é maravilhoso.

Se você ainda está preso nas ideias das novelas de televisão e acha que Marrocos é destino de luxo, saiba que está redondamente enganado: Marrocos é dos melhores destinos para os mochileiros. Tem tudo que precisamos: riqueza cultura, aventura, paisagens incríveis e moeda barata.

Exatamente. A moeda pratica no Marrocos é o Dirhan e, no câmbio atual, cada real equivale a praticamente 3 dirhans. Ou seja, o dinheiro brasileiro, que geralmente apanha das outras moedas mais praticadas no turismo (dólar, euro e libra), se sobressai majestosa no Marrocos. Traduzindo nas mais belas palavras para os ouvidos de um mochileiro: seu orçamento rende muito na viagem!

Se você já está ligeiramente convencido a visitar esse país maravilhoso, vou listar mais alguns motivos e informações para reforçar:

 

1. Hospedagem barata e incrível

A primeira vez que estive em Marrocos, visitei primeiro a cidade de Marrakech. Como o plano inicial era ficar hospedada na casa de um colega marroquino, não agendei qualquer hotel ou albergue. Entretanto, ao chegar na cidade, meu anfitrião se desculpou e disse que não poderia me hospedar porque os pais tinham vindo de surpresa e ocuparam o quarto que ele tinha reservado para mim. Ou seja: ia ter que arranjar hospedagem na hora.

Marrakech é uma cidade mercantil e lindíssima, pelo que seu tráfego turístico é muito elevado. É quase impossível respirar sem tropeçar em turistas nas ruas. Como eu conseguiria um quarto para aquela noite sem ter agendado antes e sem saber me localizar na cidade?

Meu anfitrião marroquino ajudou a encontrar um hotel – não um albergue! – que ficava praticamente no centro. Na verdade, era uma rua lateral à praça central da cidade. Ele conversou com a senhora na recepção e ela nos mostrou um quarto disponível: cama de casal, espaçoso, decorado, limpo, mobiliado e com café da manhã incluso. Custo? 100 Dirhans marroquinos. Faça a conversão para real e encontrará um valor que não chega a R$35,00. E um café da manhã muito bem servido num hall incrível: a arquitetura de tom rosado do material utilizado e tão característico em Marrocos, uma abóbada com vitral colorido com ampla entrada de luz e um silêncio pacífico com som de pássaros.

 

 2. Comunicação fácil

Talvez você não tenha ideia disso, mas a maioria dos países árabes da África possui Espanhol ou Francês como segunda língua oficial (isso quando não são ambas). Em Marrocos não é diferente. Apesar de não encontrar quem fale Português na rua, nem esperava por isso, é fácil se comunicar em Inglês, Francês e Espanhol, portanto as possibilidades são amplas de se safar com as línguas que sabe. São as três línguas mais faladas no mundo, como mochileiro, alguma vai te servir de certeza.

 

 3. Praia, Montanha e Deserto

Marrocos para Mochileiros

Marrocos é um país de paisagens maravilhosas e contrastantes. Possui o melhor de todos os lados. De um lado, você poderá fazer uma jornada no deserto do Saara, com direito a camelo e burca para proteger do sol. Existem muitas expedições que não levam apenas para um passeio bate-e-volta, mas fazem um acampamento com observação astronômica no meio do deserto. Passar uma noite nas dunas, onde temos uma visão muito clara do céu carregado de estrelas, com fogueira e mais ninguém, só o silêncio, é uma experiência impagável. E imperdível.

Por outro lado, se tanta areia te deixar de garganta seca, o país também tem praias de encher os olhos. Não são muito recomendadas para banhistas passar o dia, já que as ondas costumam ser bastante agitadas, mas se você é apreciador de surf, encontrará em Casablanca e na costa marroquina uma paisagem perfeita para se aventurar. Marrocos sedia campeonatos mundiais e internacionais de surf há muitos anos e é conhecido pela paisagem e pelas ondas altas.

E se você ainda não está satisfeito nem com praia nem com deserto, ainda tem a cadeia montanhosa. De Marrakech, por exemplo, pegando a carona de um táxi ou indo de bicicleta/moto, é possível chegar sem demora a uma parte montanhosa do país de picos tão altos que tornam possíveis vermos neve fora do Inverno. Recomendo fazer esse passeio ou muito cedo, antes do nascer do sol, ou no fim de tarde, ao pôr-do-sol, para aproveitar mais a paisagem. É incrível ver as casas incrustadas nas rochas, com pontes de madeira pequena artesanais e o fiozinho de água corrente, quase invisível do riacho correndo entre as pedras. Parece impossível que alguém realmente consiga entrar em casa naquelas condições.

E se ainda está insatisfeito e é mais do tipo urbano, você vai se surpreender quando visitar o centro urbano da cidade, pois é completamente moderno e impressionante. Destrói nossa visão errada de indivíduos ocidentais sobre casinhas de barro e tapetes persas. Marrocos tem tudo.

 

 4. Desperte o negociante que existe em você

  Marrocos para Mochileiros

Nas cidades mais movimentadas do país, como a capital Casablanca e Marrakech, sempre existe uma praça principal onde tudo acontece – como as Plaza Mayor de Espanha.

Durante o dia, as praças são ocupadas pelos artistas (como o encantador de serpentes com turbante sentado no tapete persa ou o grupo de árabes que fazem a torre humana enquanto tocam instrumentos típicos e cantam) e pelo Souk, a feira tradicional árabe onde você encontra de tudo. TUDO. Roupas típicas da região, túnicas e turbantes, jogos de chá como uma lâmpada mágica, barracas coloridas de temperos que impregnam o ar, lustres e luminárias de vidros coloridos, brinquedos, sapatos pontudos, tamancos árabes, panela, objetos decorativos… Enfim, já entendeu que é tudo, certo?

Marrocos é provavelmente um dos poucos países em que eu diria que comprar na feira é parte da experiência de viagem e não consumismo. Os árabes são famosos pelas suas negociações, pela sua forte ligação com o comércio. Marrocos não é exceção.

Entre numa tenda para comprar seu souvenir, uma peça de roupa ou o que quer que for: eles darão um preço absurdo. Não porque estão tentando te passar a perna, mas para que possam negociar. Negociar é essencial. Tem que ter barganha, tem que ser acalorado, tem que pedir para baixar o preço. É quase uma questão de etiqueta. Não importa se vocês não falam a mesma língua, usem a linguagem de sinais: MAS, POR FAVOR, REGATEIE. Tem que negociar.

Tive a experiência de entrar numa tenda para comprar uma túnica e quando o vendedor me deu o preço, aceitei de primeira – apesar de ser um valor considerado alto para a região, minha moeda na altura era euro, então ainda saía muito barato para mim. Acha que eu consegui comprar? O vendedor ficou tão ofendido por eu SEQUER ter tentado negociar um centavinho a menos que me mandou embora da loja. Isso mesmo, fui expulsa da loja por não negociar. Assim, aprendi a regra da região. E fiz mais algumas amizades de viagem nas outras tendas. E agora estou te ensinando: negocie em Marrocos. É importante.

 

 5. Vida noturna

Como mencionei acima, a vida turística urbana da cidade se passa na praça principal. À noite, o Souk Árabe se transforma e dá lugar a uma enorme praça de alimentação com espetáculos simultâneos acontecendo a todo momento. Os bares se abrem com homens cuspindo fogo nos letreiros luminosos, a música pop árabe desponta aqui e ali. É mágico e você não pode perder isso!

Esqueça os restaurantes – embora recomende que você experimente a culinária oferecida por eles, que é das melhores do mundo! Foque nas tendas da praça. Todo mochileiro sabe que comida de feira é que é comida! Você vai encontrar de tudo e, o melhor, a preço de banana! É comum ver cabeças de bode com os cornos expostos à frente da barraca. Por isso vou dar uma dica que pode ajudar: coma primeiro, pergunte depois. Assim, você evita perder alguma aventura gastronômica que pode até gostar, mas que talvez não experimentasse se soubesse o que estava comendo. Anote bem essa!

Além da praça, existem muitos bares com música, sinuca e mesas para sair e descontrair. Mas lembre que você está num país muçulmano, a cultura é um pouco mais conservadora pela política e religião. Beber álcool só é permitido nos bares, seja respeitoso com a cultura deles. Você não vai ver ninguém de burca dentro de um barzinho, mas vai encontrar o quadro do monarca em cada parede dos locais.

 

Você já visitou ou gostaria de visitar Marrocos? Já está convencido que vale a pena? Deixe suas considerações nos comentários e compartilhe as dicas com os amigos que estão se programando para visitar o país!

 



Recomendados para você

Receba promoções em seu e-mail

Junte-se a mais de 20.000 leitores e receba preço de viagens em promoção, artigos e notícias sobre turismo alternativo.

Publicidade